top of page
SCROLLPAINTING 137 fragile turns
exposição individual Elisabeth Sonneck



5.07 __ 2.08.2024

 

Ulrich Loock

in: Elisabeth Sonneck - Em Cores, Pintura Site Specific, Obras 2006 – 2011, ed. Modo Verlag, Freiburg 2012

 

(...) As pinturas de Sonneck podem ser descritas como experiências que resultam em imagens singulares, sem planeamento, eficazes e para as quais não existem normas estabelecidas. As imagens são formalmente únicas. Em contraste com as afirmações da investigação científica, evitam conceptualizações. Se uma prática extensiva resulta em experiência que direcciona e impacta a produção de trabalhos subsequentes, a cada novo trabalho implica um aumento de experiência, e justamente não a sua redução à abstração totalizante. O facto de, em atelier, Sonneck pintar habitualmente três obras a partir da mesma ideia, sublinha a singularidade distinta de cada obra, nenhuma das quais fecha o leque completo de opções nem abrange todas as possibilidades; em vez disso, cada formulação sugere outras formulações. Diferentemente da sua pesquisa cada resultado amplia o campo de possibilidades (...)

 

A pintura mostra-se como resultado direto de uma sequência específica de atividades físicas, assim como as de Sonneck, por sua vez, são resultados das exigências da pintura. A aplicação de tinta e o movimento físico tornam-se inseparáveis; as pinceladas adquirem um caráter sismográfico (…).

 

A particularidade corporal de cada pincelada individual estimula a pintura de uma forma dificilmente perceptível, mas mesmo assim palpável. Esta vitalização é um resultado involuntário da pragmática pictórica; parece não intencional e cabe ao espectador compreendê-la. É somático e pouco expressivo: o sedimento da ação física não traduz nenhum movimento psíquico, mas permanece vinculado a simples operações corporais. Na medida em que esta pintura se baseia numa economia pragmática de meios, segue a máxima escolástica de não aumentar as entidades além da necessidade. Essa economia também inclui o uso exclusivo de pincéis de doze centímetros de largura para a produção das faixas individuais de tinta; as diferentes larguras das faixas devem-se unicamente à sobreposição lateral das pinceladas. A dependência dos elementos da pintura em relação às possibilidades e necessidades físicas exclui qualquer significado para além da economia da aplicação da tinta, ao mesmo tempo que facilita a percepção das cores e das suas inter-relações. (...)

 

Os simples vestígios de processo e a despretensão dos vestígios sismográficos de uma operação física – contrariando qualquer teatralidade – contradizem de certa forma a manifestação visual da pintura. Ou seja, faixas de tinta são colocadas umas ao lado das outras e sobrepostas umas às outras em tal número que se torna impossível traçar a construção da pintura até à sua origem. Pelo contrário, as certezas da pragmática económica da sua produção, mediada pela própria pintura, esbarram na aparência irredutível da obra que temos diante de nós. É precisamente a transparência e a compreensibilidade do processo de produção que sublinham a inelutabilidade da realidade visual.(...)

 

Consequentemente, não existe um critério subjacente para a seleção de cores que seja continuamente adaptada ao longo do processo da pintura. Esta ausência de orientação consistente é mais um facto que contribui para a singularidade de cada pintura e para o infinito número de manifestações possíveis. Após a primeira reação ao campo de cores predeterminado, fica então inteiramente à mercê da originalidade das decisões do pintor sobre a direção a seguir no desenvolvimento das inter-relações da cor. Surge inevitavelmente a questão da ausência de normas estéticas no modernismo, nomeadamente a questão de quando parar, ou seja, quando um quadro deve ser considerado concluído. Sonneck comenta que: “Os critérios para isto são difíceis de identificar; mas a questão é relativamente clara, uma espécie de tensão fluida.” (…)

 

A estruturação formal do campo pictórico por meio de contradições e as suas inversões conduz a um equilíbrio dinâmico, contrariando qualquer ossificação dos factos visuais. Poderíamos dizer que a forma de produção da pintura, ligada ao processo, é traduzida no movimento simultâneo da pintura acabada, tal como a pintura, inversamente, retém uma memória do procedimento físico da sua própria produção.

Uma pista significativa do processo de produção pode ser obtida nas faixas presentes nas obras desde 2008 (com precedente de 2007) que não vão até às margens: testemunham a sobreposição múltipla de pinceladas, procedimento que contribui para uma maior vitalização da estrutura pictórica na medida em que o pincel, ao ser levantado da superfície, deposita uma área mais densa de tinta. (…) A práctica de experimentação contínua de Sonneck centra-se em formulações de cores que “são indefiníveis, e também não realmente imagináveis e instáveis, além de serem infinitas no espectro possível de matizes”. A sua pintura de atelier é o local dessa experiência repetida incessantemente. As pinturas específicas do local são a sua ruptura num local e momento específico.

Ulrich Loock nasceu em 1953 em Braunschweig (Alemanha) e vive atualmente como crítico de arte, curador e professor, em Berlim. De 1985 a 2010, exerceu funções de direção e vice-direção na Kunsthalle Bern, Kunstmuseum Luzern e Museu de Serralves. Durante mais de 30 anos, organizou exposições de artistas da sua geração, bem como de outras gerações, participou na edição de catálogos para as exposições, apresentou palestras em diferentes partes do mundo e contribuiu para diversas publicações.

Short Bio Elisabeth Sonneck

 

Elisabeth Sonneck (n.1962 Bünde, Alemanha), estudou escultura na FH für Kunst Ottersberg (DE).

Vive e trabalha em Berlim. Lecionou em várias academias de arte sobre cor e espaço, e também desenvolveu projetos curatoriais.

Desde 2006 o seu com foco tem sido em site specific instalações de pintura, pinturas murais e inúmeras instalações de papel em grande escala.

O seu trabalho foi por diversas vezes exibido em museus, galerias, instituições de arte, espaços de projetos e espaços públicos, e está representado em coleções privadas e públicas na Áustria, Canadá, Alemanha, Hong Kong, Itália, Suíça e Holanda.

 

As exposições individuais mais recentes: Spazio Insitu Rome (IT), Foundation Conceptual Art no Morgner Museum Soest (DE), Kunstverein Neukölln Berlin (DE), IWE Art Museum Kunming (CN), Brunnhofer Gallery Linz (AT), Anhaltische Gemäldegalerie Dessau (DE ), Kunstmuseum Ahlen (DE), Museu Gegenstandsfreier Kunst Otterndorf (DE), Galerie Weisser Elefant Berlin (DE).

 

Entre outras, as exposições coletivas mais destacadas: Galeria 2024 Roger Katwijk, Amsterdão (NL) | 2023, 2020, 2015 Museu Gegenstandsfreier Kunst Otterndorf (DE) | 2023, 2021, 2019, 2017 Fundação Arte Conceitual no Museu Morgner Soest (DE) | 2023 Galeria Promocyjna Varsóvia (PL), Fabbrica Del Vapore Via Farini Milão (IT), Galeria Heike Strelow Frankfurt (DE) | 2022 Studiogalerie Haus am Lützowplatz Berlim (DE), Neuer Kunstverein Aschaffenburg (DE) | 2021 Kunstraum Hochdorf (CH), Künstlerhaus Schloss Plüschow (DE) | 2020 Galeria Mumu Tainan (TW), Galeria Brunnhofer Linz (AT) | Galeria 2019 Rupert Pfab Düsseldorf (DE) | 2018 Galeria da Cidade de Praga (CZ), Künstlerhaus Dortmund (DE) | 2017 Kunstmuseum Bremerhaven (DE), Kunstmuseum Gelsenkirchen (DE) | 2016 Centro Boris Yeltsin, Yekaterinburg (RU), Museu Austríaco do Fabricante de Papel Steyrermühl (AT) | 2014 Museu de Arte de New Bedford New Bedford (EUA) | 2013 Museu Georg Kolbe Berlim (DE), Guardini-Galerie Berlim (DE), Museu Vasarely Budapeste (HU), Mies v.d. Rohe Haus, Berlim (DE) | 2011 Museu Staatliches Schwerin (DE) | 2009 NGBK Berlim (DE) | 2008 Castelo Sanssouci Potsdam (DE).

bottom of page